"A Ver Figueiró dos Vinhos. Património Natural"

A Exposição de Fotografia "A Ver Figueiró dos Vinhos. Património Natural", será inaugurada no próximo dia 19 de novembro, pelas 11h00, na sala de exposições do piso 1 do MCA.
Serão apresentadas ao público as fotografias vencedoras e destacadas com menção honrosa no âmbito do Concurso "A Ver Figueiró dos Vinhos", promovido pelo Município de Figueiró dos Vinhos  e que decorreu entre 1 de março e 30 de setembro de 2022, sob o tema "Património Natural", numa competição aberta a fotógrafos amadores e profissionais, residentes ou não no concelho de Figueiró dos Vinhos.
Os prémios serão entregues aos três primeiros classificados, selecionados pelo júri do Concurso, pela sua técnica, sensibilidade e criatividade.
A exposição está patente até 8 de janeiro de 2023.
 
 
 
 
 
 

Rota ESPORO pelo território de Figueiró dos Vinhos.

Estando previamente prevista para Julho, mas adiada face à situação de contingência imposta a esta região, chega agora a oportunidade do (re)conhecimento da Rota ESPORO pelo território de Figueiró dos Vinhos.

Esta apresenta-se como o resultado do trabalho realizado ao longo de 9 meses por uma dezena de artistas nacionais e internacionais - João Louro, Maria Ana Vasco Costa, Bosoletti, NeSpoon, ±MaisMenos±, Pedro Gramaxo, Ruído, Tiago Francez, Sawu e Colectivo Til – que, de acordo com as suas preocupações, abordagens conceptuais e com a sua estética, desenvolveram 12 intervenções / instalações site specific, em diversos formatos, medias e temporalidades, nesses lugares singulares onde a natureza prevalece.
 
Este novo momento de celebração vem acompanhado por outras acções:

_ a estreia do filme documental "ESPORO" da autoria da realizadora Mariana Vasconcelos, que regista todos os passos desta valorização, deste despertar do território através da arte, que é a missão singular deste projeto. O que ela nos apresenta em "ESPORO", o filme documental que agora se apresenta, vai muito além dos 9 meses de trabalho intenso por este território semente. Mariana oferece a sua constante procura e transmissão de um sentido de identidade visual singular a este projeto e aos temas e reflexões que levanta, uma característica do seu singular trabalho, que procura sempre criar conteúdos que alertem para preocupações sociais, políticas e ambientais. Todas estas, dimensões que inevitavelmente se encontram e debatem pelo ESPORO.

_ o lançamento do livro "ESPORO | Disseminação Cultural e Artística" que se assume como o documento que condensa todas as ações que se desenvolveram ao longo dos 9 intensos meses de trabalho de construção do ESPORO. Uma construção sonhada, desenhada e concretizada como alavanca para a (re)descoberta destes territórios, das suas (novas) identidades e constituir-se como uma marca de referência para esta região do Pinhal Interior. Uma marca que se concretiza ao traçar uma nova rota em zonas de natureza, através de práticas artísticas na área das artes plásticas, artes visuais, artes performativas e música, e que em conjunto com ações de mapeamento, mediação, capacitação, envolvimento das comunidades e cultura popular, criaram um diálogo singular, de enorme proximidade e igualmente desafiador, aspeto essencial na procura de novos olhares. Este livro é também um novo olhar ou uma coletânea de olhares, dos promotores, da organização, dos artistas que nos acompanharam ao longo destes 9 meses e, não menos importantes, o olhar de cada uma das pessoas, residentes ou visitantes, que se juntaram a nós nesta permanente e sempre inacabada descoberta.
 
 
 
 

"A importância do riso. José Malhoa e Rafael Bordalo Pinheiro"

A partir do dia 25 de setembro, teremos um novo motivo para nos visitar.
A exposição "A importância do riso. José Malhoa e Rafael Bordalo Pinheiro", com a curadoria da Dra. Maria de Aires Silveira, e que conta com a colaboração generosa de colecionadores particulares e as Instituições Casa-Museu Anastácio Gonçalves, Milleniumbcp, Museu da Cerâmica, Museu de José Malhoa, Museu Nacional de Arte Contemporânea, Novo Banco, Sociedade Nacional de Belas-Artes, será inaugurada nesse domingo, pelas 16h00, no piso 0 do Museu e Centro de Artes de Figueiró dos Vinhos.
Contamos com a sua presença!
 
 
 
 
 

Exposição Coletiva - Coleção Particular

Esta exposição coletiva, que estará patente ao público na sala de exposições do piso 1 do MCA, a partir do próximo sábado, dia 10 de setembro, apresenta obras de vários artistas contemporâneos, nacionais  e estrangeiros, entre os quais se destacam Luís Ralha, Zé Cordeiro, Mário Vinte e Um, Edna de Araraquara, Ló, Lena Gal, Gilberto Gaspar e Margarida Silveiro.

A I parte da exposição poderá ser visitada entre os dias 10 de setembro e 4 de outubro. A II parte abre ao público no dia 6 de outubro e encerra no dia 30 desse mês.

 

 

 

“Esquecidos” por Francis.co

 inauguração da exposição “Esquecidos” por Francis.co terá lugar no próximo sábado, dia 13 de Agosto, pelas 16h00, na sala de exposições do piso 1 do Museu e Centro de Artes de Figueiró dos Vinhos e estará patente ao público até ao dia 31 de Agosto.

Durante a edição de 2021 do FAZUNCHAR, os mais atentos puderam observar o deambular, as pausas, a concentração, as perguntas e os desenhos do ilustrador Francis.co pelas ruas do centro histórico de Figueiró dos Vinhos.

“ESQUECIDOS” é a resposta ao desafio lançado para a realização de uma residência artística de desenho.

Sem rumo definido, rapidamente o ganhou e a sua obsessão por ‘casas’ transformou-se numa única missão, a de registar o abandono, as histórias, as texturas e os porquês de um momento específico daquelas construções. Um tempo, passado, que nos traz agora até ao presente, como memória visual, provocando a reflexão sobre o seu futuro.

 

 

 

Relógios Despertadores

A exposição “Relógios Despertadores” – coleção particular encontra-se patente ao público, na sala de exposições temporárias do piso 1 do MCA, entre os dias 15 de julho e 7 de agosto de 2022.
O colecionador despertou para esta paixão há mais de 30 anos, constituindo, ao longo do tempo, uma coleção com relógios de origens tão diversas como a antiga URSS, a Roménia, a Alemanha, a China, os EUA e Portugal. Destacam-se os relógios de viagem, com caixa de transporte e ainda vários exemplares da marca portuguesa Reguladora.
 
 
 
 

Concerto - Pedro Janela

No próximo dia 28 de maio, pelas 21:00 horas, venha ao Museu e Centro de Artes assistir ao concerto de Pedro Janela, acompanhado por um quarteto de cordas, tendo como convidado especial André Sardet!

PEDRO JANELA

Compositor e pianista

Um pintor combina cores, formas e texturas para criar ilusões… Pedro Janela é um compositor que esculpe notas, ritmos e instrumentos, criando ambientes onde nos transporta com a sua música… abrindo “janelas” (como o seu nome), para esse mundo onde interpreta o tempo e o espaço ainda não explorado. É um compositor de sonhos, cenários, ambientes…

Criativo e inovador, explora novos processos e recursos. Mentor da banda “Casino Royal”, integra também outros projetos, onde se incluem várias bandas sonoras para o cinema, tais como: “Quinze pontos na Alma”, “República”, “Jacinta”, “Al Berto” e “Soldado Milhões”, entre outros.

QUARTETO DE CORDAS

Os “Arcos d’Almedina” surgem em Coimbra em 2014. Apesar da sua formação clássica, cedo se deixaram influenciar por outros estilos, possuindo um repertório invulgar e algo irreverente, que traz o brilho das cordas com arco aos mais variados géneros musicais.

ANDRÉ SARDET

Nasceu em Coimbra, alcançou um sucesso reconhecido e bem definido na música portuguesa, como cantor e compositor.

Do “Azul do Céu” até às canções atuais, foi sempre estudando e viajando, conhecendo outros músicos. Conta já com 26 anos de carreira.